Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




IMG_3945.jpg

 

O Copenhagen Coffee Lab (CCL), em Lisboa, é um daqueles lugares que gosto de encontrar por esse mundo fora. Tem óptimos cafés e diversas formas de os preparar, bem como uma oferta de snacks doces e salgados acima da média – por isso, o inclui tanto no meu guia Lisboa à Mesa, como na primeira versão do The 38 Essential Lisbon Restaurants que escrevi para a norte-americana Eater. No fundo, ainda que remeta uma ligação a uma cidade cosmopolita como Copenhaga, o CCL tem mais a ver com um conceito de cultura urbana do que propriamente com a identidade de um determinado país. Por isso, acho normal que a equipa de sala contratada saiba inglês, que o nome seja neste idioma e que os menus sejam bilingues. Porém, quando se junta a dificuldade em dominar a língua do país onde se trabalha, com falta de bom senso e de profissionalismo, aí a paciência tem limites.

 

 

A cena que vos vou contar passou-se no Sábado no Copenhagen Coffee Lab original, próximo da Praça das Flores. Poucos minutos das 17.30h, a minha mulher e eu decidimos entrar para beber um café. O cenário era um pouco diferente do habitual. A casa estava com vários lugares desocupados, todos com loiça suja nas mesas por levantar. Dava para perceber que a hora de ponta passara e que se aproximava o fecho. Todavia, ainda faltava quase meia hora. Levantei a loiça de uma mesa e deixei-a no balcão. Depois vi que havia uma outra mesa mais confortável disponível (estávamos com “pequeno selvagem” no carrinho) e mudámo-nos para ela. Mais uma vez levantei a loiça e levei-a ao balcão. Da primeira vez a empregada agradeceu-me, da segunda nem por isso. Talvez não tenha gostado da piada que atirei - “desculpem, juro que não vos quero tirar o emprego” – mas é pouco provável, porque, percebi depois, não deve ter entendido o que eu disse.

 

A Luciana pediu um latte e eu um cappuccino e um bolo de canela. O serviço estava um pouco demorado, mas tudo (mais ou menos) bem, a equipa era reduzida (duas pessoas a atender) e fazer um café como deve ser não é imediato como num estabelecimento comum, além de que havia à nossa frente uma mesa de cinco para ser atendida. Os clientes lá receberam o seu café coado V60 como mandam as regras, com a sua cafeteira/recepiente de vidro e chávenas de loiça. Era agora a nossa vez. Primeiro sai o latte (3.8€) da Luciana, mas estranhamente vem num copo de papel. Olho em direcção ao bar e ao ver que o meu capucinno (3.6€) ia ser servido num recipiente igual apresso-me e digo que não, que queria uma chávena de loiça apropriada.

 

Em inglês e num tom algo agastado a empregada diz-me que “to go” só serviam em copo de papel. Ao que eu respondo que não era para levar, mas sim para beber na casa, como era bem visível, dado que a nossa mesa estava próxima e bem no seu campo de visão. A empregada insiste, ainda com menos paciência e novamente em inglês, que tinha indicação do patrão para servir apenas em copos de papel depois das 17.30h. E eu insisto que ainda faltam cerca de vinte minutos para fechar e que podia estar descansada pois às 18h contava estar fora dali. Como também já me tinha chegado a mostarda ao nariz acrescento que achava inacreditável que num café, em Lisboa, tivesse que me expressar numa língua que não o português. Contrariada, a empregada lá serve a bebida numa chávena de loiça, mas ainda a resmungar com a história da política da casa (“the policy, the policy”). A ouvir a nossa conversa, a colega do lado resolve entrar em acção com um argumento brilhante: “mas nós somos um Danish Cafe!”

 

Devia-lhe ter dito, certo, mas que então só podiam falar em dinamarquês. Porém, respondo que aquele era um café dinamarquês, mas em Lisboa e que dantes, as antigas proprietárias, faziam um esforço para falarem em português ou tinham sempre alguém que falava a língua. Ciente do disparate que tinha acabado de pronunciar (“but this is a Danish Cafe!!”) a empregada lá se desculpa que estavam a aprender português e que se esforçava para falar. Para não agravar o momento lá digo que a falha era mais do patrão do que delas. Do tal patrão que alegadamente impõe a tal “policy” de servir apenas em copos de papel “to go” a partir das 17.30h.

 

IMG_3946.jpg

 

Podia ter-lhes dito, também, que apesar disso e da hora (a uns 20 minutos de fecharem) a atitude delas não tinha sido a melhor e que as mesas por levantar ou o banco virado ao contrário em cima do balcão - como é visivel na primeira imagem - não era um bom cartão de visita. Contudo, achei melhor vir para mesa, beber o cappuccino, comer o bolo de canela (ambos bons) e ouvir o meu filho chamar-me tótó. Às 17.47h levantámo-nos tranquilamente e saímos, não sem antes repararmos noutro belo cenário: dois sacos de lixo à porta com a casa ainda em funcionamento. Lamentável. Tudo muito lamentável. E evitável.

 

Leia ainda:

publicado às 18:27


1 comentário

Sem imagem de perfil

De L a 03.03.2020 às 11:48

Cuidado com o “julgamento precipitado”. A maioria dos funcionarios destes establecimentos e pago pelas horas de funcionamento. No entanto, os patroes convenientemente esquecem-se de que a limpeza tem de ser feita e so pode ser feito em condicoes quando nao ha clientes. Muitas vezes isto significa ficar uma hora a mais, que nao e paga, para fazer limpeza. Ja estive “desse lado” e nao julgo os funcionarios por isso... ninguem quer ou deve trabalhar de graca. Se isto e problema do cliente? Nao, e do patrao, mas um pouco de bom senso e empatia nao custa muito, e e por isso que evito entrar em establecimentos de restauracao perto da hora do fecho.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog