Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




FullSizeRender.jpg

 
Foi ontem à tarde, no belíssimo show room da Bulthaup, no Chiado, que Vincent Farges anunciou os seus planos após sair da Fortaleza do Guincho, nos próximos dias. 
 
 
Para já está entusiasmado com o projecto que vai abraçar no Sandy Lane, um resort de luxo nas Barbados, "uma ilha descoberta por um português", como referiu. A tarefa que lhe está confinada prende-se com a melhoria da vertente gastronómica do hotel e uma ligação mais directa ao seu restaurante de fine dining, “sem stress de estrelas Michelin". 
 
Quanto ao regresso a Portugal, não há nada fixo de concreto, ao contrário do que o convite/comunicado anterior deixava a entender. Farges referiu que vai voltar a Lisboa no próximo ano para participar, como convidado, de um novo festival sobre cozinha de bistro, no novo Hotel Porto Bay - cuja carta do restaurante Bistro 4 é da responsabilidade de Benoit Sinthon (também presente ontem) - e da vontade de ter um restaurante próprio a médio prazo (daqui a 2, 4 anos).  
 
Farges falou ainda de algumas ideias ligadas aos citrinos para fazer com o produtor Jean Paul Brigand e com Adriana Freire da Cozinha Popular da Mouraria (neste último caso, parece que quer fazer umas receitas para pôr os lisboetas a aproveitar as laranjeiras (e afins) que existem pela cidade. 
 
O chef francês falou ainda da sua vontade de levar um pouco de Portugal para os Barbados e lembrou as suas influências nestes últimos 10 anos em que esteve em Portugal. "Como sabem quando cá cheguei a minha cozinha era influenciada por sabores marroquinos”, referiu, aludindo ao país onde trabalhou antes, "mas últimos tempos, como muitos disseram, já era quase portuguesa. Portugal marcou-me imenso”, confessou. 
 
Por último, Farges, que começou o seu discurso com um agradecimento ao Fortaleza do Guincho e à sua última directora Petra Sauer, quis deixar uma palavra de apoio ao seu sucessor (Miguel Rocha Vieira), desejando-lhe “o maior sucesso” e pedindo que lhe seja concedida "a mesma tolerância" que lhe deram a ele. 
 
Houve um engraçadinho (cujo nome não vou dizer mas que começa por um “D” e até escreve neste blogue) que ainda tentou colocar pressão dizendo que a Michelin estava a ponderar lançar um guia das Caraíbas. Porém, o Sr. Farges, em modo total relax, limitou-se a esboçar um sorriso. Aparentemente (e embora a cada dois minutos tenha falado em regressar) não está descontente com o lugar para onde vai. Porque será?
 
 

 

Posts Relacionados: 

Vincent Farges vai mas com bilhete de volta marcado para Lisboa

Vincent Farges sai do Fortaleza do Guincho

Miguel Rocha Vieira é o novo chefe do Fortaleza do Guincho

 

Leia ainda:

publicado às 10:54


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog