Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




2teste.jpg

Há novidades no Grupo Quina, que tem Vítor Sobral como principal figura e restaurantes como as Tascas da Esquina, em Lisboa, São Paulo e João Pessoa (Nordeste do Brasil) ou, também na capital portuguesa, a Peixaria da Esquina e ainda as Padarias da Esquina (esta com filial em São Paulo). Hugo Nascimento, braço direito do chefe, com quem trabalha há 23 anos, decidiu mudar de vida e foi viver para Odeceixe, embora continue sócio e colaborador do grupo. Luís Espadana, o outro “braço direito” de Sobral, que tem estado à frente dos restaurantes do grupo no Brasil, volta para Portugal no final do ano, enquanto Vítor Sobral está empenhado em abrir, previsivelmente já na próxima semana, o Talho da Esquina, em Lisboa, em frente ao Parlamento.

 

 

“O que me fez tomar esta decisão foi sobretudo querer dedicar-me mais à família, passar mais tempo com os meus três filhos”, explica Hugo Nascimento, de 42 anos, agora responsável criativo pela área de gastronomia das Casas do Moinho, em Odeceixe, um “turismo de aldeia” onde ia passar férias nos últimos sete anos. Para já, a sua intervenção vê-se mais nos pequenos-almoços e em alguns jantares especiais, mas, embora a unidade hoteleira não disponha de restaurante, deverá haver novidades nos próximos meses. “Deixei a operação do Grupo Quina, mas mantenho-me na socidade e na parte da criatividade. Isso não vai mudar”, conclui Hugo Nascimento.

 

Vítor Sobral também não vê com dramatismo esta mudança, considerando-a como uma “saída sabática”, assim como o regresso de Luís Espadana a Portugal. “As equipas em Portugal e no Brasil estão bem afinadas e em condições de manter tudo a funcionar como deve ser”, assegura. Quanto ao novo restaurante, o Talho da Esquina, revela que vai ter 45 lugares e, bem ao seu jeito, vai fazer diferente dos muitos restaurantes especializados em carne que têm aberto um pouco por toda a parte. “Sou neto de agricultores e não me lembro de andar a comer bifes em criança. Comíamos borrego, cabrito, galinhas, porco, enchidos...mas carne bovina era raro. É isso que quero para este restaurante, com carnes portuguesas. É claro que vou ter carne de vaca, inclusive uma maturada que dificilmente se encontra noutro lado, mas não a preço de lagosta, como se vê por aí”, conclui.

 

Foto: Vítor Sobral ao centro, com Luís Espadana (à esquerda) e Hugo Nascimento (à direita)

 

 

Leia ainda:

publicado às 17:52



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog